Menu Carrinho
2
FAQ pt

CityPASS Scrapbook

Compre o Seattle da sua cidade

Chihuly Garden and Glass é a mais nova essencial atração de Seattle

Dale Chihuly, nativo do Noroeste do Pacífico, não poderia ter escolhido uma melhor localização para a mais nova e imperdível atração de Seattle, Chihuly Garden and Glass,inaugurada no dia 21 de maio. Localizada na base da icônica Space Needle da Cidade Esmeralda, esta coleção extensa e colorida de obras-primas de Chihuly oferece aos visitantes a oportunidade de se maravilhar com as criações de cada década da notável carreira do artista.

Após ganhar uma prévia, fiquei satisfeito com a amplitude da exposição. Eu já tinha visto algumas obras de Chihuly pessoalmente antes - como os lustres enormes, opulentos e arrojados - mas ver toda essa variedade distribuída em mais de 6 mil m², em áreas internas e externas, foi de tirar o fôlego. Mesmo do lado de fora, há bastante vidro colorido para iluminar um dia cinzento no Noroeste do Pacífico ou servir como um belo farol noturno.

A Chihuly Garden and Glass é uma instalação a longo prazo, segundo a diretora executiva da exposição Michelle Bufano. Há 10 exposições diferentes, um espaço de cinema mostrando a equipe de artistas de Chihuly em ação, e um café muito peculiar, com pratos locais servidos sobre os colecionáveis favoritos do artista.

Nascido em 1941 em Tacoma, Washington, o trabalho de Dale Chihuly está incluso em 225 coleções de museus por todo o mundo, além de instalações especiais em Veneza, Jerusalém, Londres e Chicago. A nova coleção em Seattle mostra algumas das obras mais famosas: Cylinders and Baskets, da década de 1970; Seaforms, Macchia, Venetians e Persians, dos anos 80; Nijima Floats e Chandeliers, da década de 90; e Fiori dos anos 2000.

As Galerias

A arte de vidro de Chihuly evoca gelo, fogo, espaço, natureza e fantasia; um dos aspectos de que eu mais gostei foi o layout da exposição, que sempre apresentava uma nova surpresa.

Os visitantes podem comprar ingressos para entrada imediata com até 30 dias de antecedência. Ao entrar, os convidados receberão fones de ouvido para ouvir um tour gratuito da exposição através do celular.

O tour começa com "Glass Forest", uma das obras anteriores de Chihuly em colaboração com o artista Jamie Carpenter, criada ao derramar vidro fundido de escadotes. Brilhando internamente com néon, esta floresta de vertentes iluminadas parece suspensa em material preto reflexivo - uma característica-chave em muitas obras.

Seguindo à Sala Noroeste, há uma partida inesperada das cores fortes de Chihuly com uma coleção de cestas de tabaco na cor marrom esfumado, arranjadas em cestas nativo-americanas. Cercada de uma coleção de fotografias de Edward Curtis de nativos-americanos, cobertores e outros artefatos, a sala é um testemunho do amor de Chihuly pela região e de sua vida em um cais de barcos na Lake Union de Washington. Francamente, fiquei satisfeito e surpreso com a acessibilidade das peças, e até imaginei alguém pegando nelas ou pior, derrubando-as. O diretor de Relações Públicas April Matson riu e disse que eles já tinham um grupo de 300 alunos chegando para uma prévia sem problemas. Ainda assim, seria um azar bem caro deixar o pequeno Johnny solto por lá.

Em seguida, a Sala Sealife apresenta uma torre deslumbrante representando um gêiser oceânico, cheio de criaturas do mar. Contornando outra parte, entrei na sala Persian Ceiling Room, com peças empilhadas e iluminadas por cima para criar uma paisagem caleidoscópica em todas as quatro paredes.

Mille Fiori. Crédito da foto: Deston Nokes.

Em seguida, o Mille Fiori, que significa "Mil flores" em italiano, é um jardim brilhante de vidro no escuro que irá deslumbrar os convidados (e este escritor). Ele nos leva direto a outra sala escura radiante, com barcos cheios de Ikebana e boias japonesas.

As Macchia Flores, que significa "flores manchadas" em italiano, são grandes bacias que lançam um lindo reflexo nas paredes. A mãe de Chihuly se refere a esta galeria como "desagradável" por ser muito espalhafatosa, mas eu a achei encantadora. Mais uma vez, a iluminação é um fator importante no impacto da galeria.

A casa de vidro é uma das peças centrais da propriedade, refletindo o amor do artista por conservatórios, e aloja uma das maiores esculturas suspensas de Chihuly. Com 30 metros de comprimento, é uma vasta explosão de vidro persa em tons vermelhos, laranjas, amarelos e âmbar composto de 1.340 peças.

"Muitas vezes me perguntam se a escultura tem luzes por dentro. É tão brilhante, mas tudo é feito com iluminação externa", disse Bufano. "Ele literalmente levou dias para conseguir a iluminação correta."

A coleção acordeão de Chihuly decora o Collection's Café. Crédito da foto: Deston Nokes.

No Collection's Café, as pessoas podem desfrutar de uma saborosa refeição sob a coleção de acordeões de Chihuly suspensa no teto. O cardápio apresenta ingredientes frescos do Noroeste, de sanduíches de moluscos e atum ahi com crosta apimentada a hambúrgueres, costeletas de porco, e tomate seco e ravióli de queijo de cabra. As coleções, muitas sob as mesas com tampo de vidro, são uma mistura divertida e peculiar de lâminas antigas, iscas de pesca, rádios transistorizados, escovas de barbear e brinquedos de lata. Nas paredes, abridores de garrafas retrô, chalkware colorido de carnavais e feiras dos anos 20 e 30, e outras curiosidades. É melhor reservar uma mesa com antecedência através do "Open Table", já que o espaço acomoda apenas 88 pessoas em 23 mesas.

O teatro é imperdível, com quatro diferentes curtas de cinco minutos, que retratam o fogo, a respiração, o movimento e a força muscular necessários para criar as peças de Chihuly. Devido a uma lesão no ombro que sofreu no final dos anos 70, Chihuly já não trabalha mais como eletricista-chefe, preferindo ser o diretor em um projeto. É de uma qualidade incrível ver a equipe evocando os projetos.

The Garden of Glass (O Jardim de Vidro)

Minha seção favorita foi a visita aos arredores da Glass House. Misturadas na paisagem, as palhetas de vidro, tifáceas e esferas variadas cobrem o chão em torno de peças altíssimas e visíveis da entrada. O mais dominante é o Seattle Sun, de quase cinco metros - um lindo emaranhado de amarelo e laranja. Outras peças em destaque são o Rose Crystal e a Green Icicle Towers.

"É também uma exposição incrível para ver à noite", disse Bufano. "Os jardins não apenas se transformam, mas o lustre maciço na estufa tem vida própria."

Como na maioria das galerias, você chegará a uma livraria/loja de presentes, que vale a pena tanto para dar só uma olhadinha quanto para fazer muitas compras. Há várias lembrancinhas simples e divertidas baseadas em coleções do artista, além de produtos de alta qualidade. Há também peças Chihuly disponíveis por um preço substancialmente mais elevado.

Apesar do ingresso para o Chihuly Garden and Glass não ser barato (US$19 para entrada geral dos 13 aos 64 anos), a exposição é um autêntico banquete para os olhos, que você dificilmente encontrará em qualquer outro lugar.

Deston Nokes é escritor de viagens em Portland, Oregon.

(Crédito de foto do topo Dale Chihuly)